Economia Criativa: negócios do segmento encontram alternativas para manter atividades na pandemia

O impacto da pandemia nas pequenas e médias empresas foi muito sentido no setor de eventos, sendo um dos segmentos mais afetado durante o período de isolamento social

O impacto da pandemia nas pequenas e médias empresas foi muito sentido no setor de eventos, sendo um dos segmentos mais afetado durante o período de isolamento social. Em Alagoas, diante da falta de previsão para o retorno das atividades presenciais das empresas do setor, empreendedores da Economia Criativa estão encontrando alternativas para manter o negócio ativo no atual contexto.

De acordo com a analista da Unidade de Competitividade e Desenvolvimento do Sebrae em Alagoas, Débora Lima, uma parcela significativa dos empreendedores da Economia Criativa está desenvolvendo atividades de forma virtual. “A maioria dos empreendedores está se adaptando às plataformas digitais. Os grupos de teatro e de circo, por exemplo, não estão conseguindo retomar os espetáculos presenciais e estão fazendo Lives e participando de festivais online”, afirma.

“De forma geral, os negócios não estão retomando as atividades do formato anterior, do formato tradicional e continuam no modelo online, já que os eventos presenciais ainda estão proibidos. O pessoal do audiovisual, por exemplo, está participando de festivais de cinema online e os próprios eventos de Economia Criativa estão se adaptando à nova realidade. Tivemos recentemente o Festival Carambola, que foi completamente online, e teremos o Circuito Penedo de Cinema, que provavelmente será nesse novo formato”, acrescenta a analista do Sebrae Alagoas.

Em Maceió, o Centro Cultural Arte Pajuçara e a pizzaria Santorégano apostaram na criação de um cinema drive-in com capacidade para 20 carros no estacionamento do restaurante, que fica localizado em Riacho Doce. O Cine Arte Drive-in no Santorégano está funcionando à noite, com exibições diárias, desde o dia 4 de julho. Os ingressos são vendidos antecipadamente e de forma virtual.

“No caso da parceria do Arte Pajuçara com o Santorégano existe a característica de mudança de modelo de negócio. Os eventos presenciais vão acontecer dentro dos protocolos de segurança, mas muitos estão sendo pensados num formato híbrido (presencial e online ao mesmo tempo). Então, a gente pode falar que existe uma adaptação no formato desses negócios e os formatos digitais, que foram emergindo durante a pandemia, não serão largados. Nós teremos um modelo que vai usar tanto o presencial, quando for possível, quanto o online”, ressalta Débora Lima.

Retomada segura

Com o intuito de orientar o empresário sobre a nova realidade de atuação, o Sebrae divulgou um conjunto de orientações para a retomada segura das atividades dos pequenos negócios. O conteúdo multimídia está disponível no portal da instituição e pode ser acessado por meio do endereço eletrônico https://bit.ly/3ffxnJU.

Além de disponibilizar informações gerais, contemplando todos os setores, o conteúdo multimídia apresenta recomendações específicas para a retomada segura das empresas que atuam nas áreas de Varejo, Alimentação, Beleza, Moda, Pet Shop, Saúde e Bem-estar, Construção Civil, Turismo, Artesanato, Automotivo, Logística e Transporte, Indústria, Economia Criativa e Serviços Educacionais.

As orientações específicas para os negócios da Economia Criativa foram divididas em três áreas: eventos culturais, audiovisual e games. Jane Blandina, analista do Sebrae Nacional, explica que o momento exige cuidado para que o retorno das atividades do segmento não comprometa a saúde do cliente, do colaborador e do próprio empresário.

“Com shows cancelados, museus fechados e bilheteria parada, o distanciamento do público foi inevitável e, por isso, a retomada é tão aguardada, mas é preciso ter cautela e atenção para que a retomada seja segura”, coloca.

“Em relação aos negócios que trabalham com eventos, a primeira dica é vender ingressos ou realizar agendamentos de forma online. Já existem várias plataformas que fazem isso. Além de você garantir a sua venda, você evita aglomeração nas filas. Caso a primeira dica não seja possível, a segunda dica é instalar uma barreira de vidro nos caixas ou bilheterias. Coloque, também, uma demarcação de distância entre o seu caixa e o comprador e estabeleça uma distância mínima de 1,5m entre os compradores”, orienta a analista Jane Blandina.

Além disso, o empresário que trabalha com produção de eventos também pode investir em sinalizações horizontais para que o público fique informado e se sinta seguro e reforçar os serviços de limpeza dos banheiros em ambientes de uso coletivo. O ideal é ter uma equipe consciente, preparada e supervisionada em cada ambiente de uso comum no local onde o evento será realizado.

“Na área de audiovisual, priorize alguns processos de pré-produção e pós-produção em teletrabalho, como, por exemplo, a sala de roteiro, que pode ser totalmente adaptada num formato online. Planeje no seu roteiro cenas em espaços grandes e ventilados e faça a busca por locuções online. O número de locações e a forma de higienização devem constar no seu planejamento e ser levados em consideração na pré-produção”, informa a analista do Sebrae.

Distanciamento social

Durante a etapa de testes de elenco, o empreendedor do audiovisual pode agendar horários com intervalos entre os candidados para manter o ambiente limpo e higienizado e disponibilizar, na entrada do local onde os testes serão realizados, álcool 70% e tapetes sanitizantes para a higienização das mãos e dos calçados. “Além disso, evite microfones de lapela. Procure usar microfones que possam manter uma segurança de distanciamento entre uma pessoa e outra como, por exemplo, o boom”, explica Jane Blandina.

“Na área de produção de games, a primeira dica é estabelecer um procedimento sistemático de higienização nos seus consoles, nos óculos virtuais e no espaço onde vai ser testado o jogo. Testar os jogos com segurança é fundamental. A próxima dica é participar de olimpíadas online. Estão acontecendo vários eventos nesse momento por conta da pandemia e essa é uma grande oportunidade”, recomenda a analista.

Ainda de acordo com Jane Blandina, para quem administra loja de jogos eletrônicos será indispensável a higienização, antes e depois de cada usuário, de teclados e consoles com álcool 70%. “O empreendedor pode colocar papel filme nos teclados. Além de manter a tintura e a qualidade do fliperama, é mais fácil de higienizar com álcool em gel. Outra dica legal é ter um borrifador de álcool 70% e lenço descartável porque, assim, o próprio jogador pode fazer essa limpeza antes e depois, mas é preciso ter alguém responsável verificando essa limpeza”, esclarece.