Inovação

Seminário Cidade do Futuro trouxe discussões sobre inovação e modelos de cidades para as próximas ge

Evento foi aberto com o painel sobre as estratégias transformadoras de alto impacto positivo

A cidade ‘inteligente’ que todos querem amanhã, deve começar a ser construída hoje, com a participação do poder público, das empresas, organizações públicas e privadas e de toda a sociedade. E para contribuir com a geração de conhecimento e discussões sobre a temática das Smart Cities, o Sebrae Alagoas e o Movimento Alagoas Competitiva (MAC), além de vários parceiros, realizaram, nessa sexta-feira (08), o Seminário Cidade do Futuro: Inovação Urbana e Novas Tecnologias, em Maceió.

Na abertura, Luiz Otávio Gomes, presidente do MAC, ressaltou a relevância do seminário para que a sociedade e gestores possam refletir sobre o futuro das cidades brasileiras. “É uma discussão importante para o nosso estado para que a gente possa conhecer mais sobre o que acontece no Brasil quando o assunto é mobilidade urbana e a cidade do futuro. O país passa por mudanças, com lutas de ideias e nós temos que conhecer mais sobre isso para que as discussões possam se aprofundar. As nossas cidades estão boas para que continuemos vivendo nelas? Em quais aspectos elas precisam avançar para que as coisas aconteçam? Nossa proposta é trocar ideias para melhorar o futuro das nossas cidades”, pontuou.

Em seguida, José Nogueira, presidente do Conselho Deliberativo Estadual (CDE) do Sebrae Alagoas também reforçou a importância de falar sobre este tema. “Esse evento é uma oportunidade de tratarmos de assuntos extremamente relevantes para o nosso espaço urbano. Afinal, é na territorialidade do município que a vida acontece. É com uso dos equipamentos urbanos que a cidade flui. Andando ou dirigindo pela rua, nós entramos em contato com o real termômetro que mede o desenvolvimento de uma cidade. Desenvolvimento este que, nos primeiros anos deste milênio, se reveste de uma roupagem ainda mais sustentável e preocupado com as gerações futuras” , disse Nogueira.

Estratégias transformadoras de alto impacto positivo

A programação do seminário teve início com o painel ‘Estratégias transformadoras de alto impacto positivo’, sendo a primeira palestra ‘Da criação da Lei de Inovação de Maceió à ocupação do bairro do Jaraguá’, ministrada por Íria Almeida, secretária Municipal do Gabinete de Governança de Maceió. A secretária mostrou aspectos da Lei de Inovação de Maceió (Lei n°6.902/2019), que institui a política de ciência, tecnologia e inovação da cidade e como a legislação pode contribuir com o desenvolvimento do espaço urbano.  

Outro ponto relevante foi a Lei do Jaraguá (Lei n° 6929), que vai conceder benefícios tributários e urbanísticos destinados ao uso residencial e comercial elencando atividades econômicas, culturais, artísticas, científicas e tecnológicas de diversos setores, abrangendo a área denominada ‘Polígono do Jaraguá’, que envolve o bairro e regiões circunvizinhas. Entre os benefícios estão isenção das taxas de Licença de Localização e redução de 30% na alíquota do IPTU e 50% de ISS por cinco anos.

Ela destacou que os benefícios trazidos pelas leis ao bairro podem ser levados para outras partes da cidade. “O Jaraguá e o Centro de Maceió fazem parte do nosso preceito de revitalização. Começamos pelo Jaraguá incentivando essas atividades e ano que vem conseguiremos lançar um outro pacote para o Centro. Nosso polígono já pega partes do Poço, Ponta da Terra e Pajuçara, áreas com boa infraestrutura, que contam com saneamento, pavimentação e ruas largas. Lá, fazemos um trabalho de empoderamento feminino com as mulheres do Centro Pesqueiro para que essas pessoas voltem a pertencer ao bairro. Queremos resgatar a autoestima delas e de quem nasce naquela região”, frisou.

A prefeitura ainda pretende elaborar uma política de diretrizes de governança de compras públicas, bem como fortalecer a adesão ao ICLEI – Governos Locais pela Sustentabilidade e ser um dos signatários do Pacto Global das Nações Unidas e se comprometer com a Agenda 2030, a partir dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

A palestra seguinte, ‘Compaz: Comunidades da Paz a estratégia de intervenção em territórios vulneráveis em Recife’, foi ministrada por Murilo Cavalcanti, secretário de Segurança Urbana do Recife. Ele iniciou a palestra destacando a desigualdade social e a violência na América Latina, mostrando o funcionamento dos Centros Comunitários da Paz (Compaz), espaços de cidadania que oferecem serviços e atividades para a comunidade como práticas esportivas, de artes marciais, dança, leitura, aulas de música, circo, empreendedorismo e tecnologia. Os espaços também são inspirados em muitos aspectos da cidade de Medellin, na Colômbia, conhecida pelo seu desenvolvimento urbano e social nos últimos anos.

“Se há uma coisa democrática na América Latina é a pobreza. Ela é igual em Medellin, no Recife e em Maceió, existindo a desigualdade e exclusão entre as pessoas. Aprendemos muitas lições na Colômbia e a principal delas é: o prefeito deve ser protagonista da mudança, com uma gestão transparente e focada em resultados; com uma boa gestão do dinheiro público e continuar o que foi feito de bom na gestão governamental anterior. Lá, a mudança aconteceu com quatro gestões de prefeitos inovadores que mudaram o destino da cidade que era considerada a mais violenta do mundo”, lembrou Murilo Cavalcanti.

Na sequência, Antonio Januzzi, gerente de Novas Tecnologias da Estre, apresentou a palestra ‘A tecnologia de gestão de lixo e o desenvolvimento urbano: o exemplo de Maceió’, mostrando os processos da Central de Tratamento de Resíduos (CTR) de Maceió que conta, entre suas partes, com uma usina de beneficiamento de resíduos da construção civil e Estação de Tratamento de Efluentes (ETE), com a transformação de chorume em água limpa. Ao todo, a CTR Maceió recebe entre 1,7 mil a 2 mil toneladas por dia. Maceió foi uma das primeiras cidades do Nordeste a acabar com seu lixão.

Por fim, Paula Zacarias, analista de Programas do escritório do ONU-HABITAT em Alagoas, encerrou o painel com a palestra ‘Prosperidade urbana sustentável e inclusiva no estado de Alagoas: Uma iniciativa integrada’. Ela apresentou o trabalho da ONU em cooperação técnica com o Governo do Estado, que mapeou as grotas de Maceió, levantando dados traçados do perfil socioeconômico dos seus moradores.